Nota de pesar Dr. Barclay Robert Clemesha

A diretoria da Sociedade Brasileira de Geofísica Espacial e Aeronomia vem a público manifestar o mais profundo pesar pelo falecimento do Dr. Barclay Robert Clemesha, aos 82 anos, pesquisador do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais – INPE, Brasil, referência mundial na área de Física da Alta Atmosfera, ao mesmo tempo em que presta condolências a familiares e amigos pela irreparável perda.

Sua trajetória científica é descrita pelo Dr. Paulo Prado Batista.
A diretoria
++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++
Barclay Robert Clemesha nos seus 80 anos

Após terminar sua graduação na Universidade de Londres em 1957, Barclay Robert Clemesha deixou sua nativa Inglaterra para trabalhar como assistente de pesquisas no Ano Geofísico Internacional no University College, em Ibadan, Nigéria. Embora fosse seu desejo retornar à sua Inglaterra para trabalhar após seu contrato de 18 meses, ele jamais o fez. Após três anos em Ibadan trabalhando com Física da baixa Ionosfera, mudou-se para a Universidade de Gana em Accra, onde ficou por mais três anos. Ali fez sondagens com radar que mostraram haver perturbações na Ionosfera Equatorial que apenas anos depois foram conhecidas como bolhas de plasmas equatoriais.

Em 1963 foi para a Universidade das Índias Ocidentais  em Kingston, Jamaica, onde junto com Geoffrey Kent e Ray Wright, ele desenvolveu um dos primeiros radares de laser para estudos atmosféricos. Completou seu doutorado na Universidade das Índias Ocidentais em 1968.
Durante sua estada na Jamaica participou do Primeiro Simpósio Internacional de Aeronomia Equatorial no Perú e do segundo Simpósio que foi realizado no INPE em 1966. Aqui conheceu Ida que secretariava a Reunião. Se casaram e após viverem na Jamaica até o final de 1968 retornaram ao Brasil onde Dr. Clemesha passou a ser Pesquisador no INPE, onde trabalhou pelo próximos 47 anos.

O pioneirismo do Dr. Clemesha continuou no INPE onde construiu o primeiro radar de Laser do Hemisfério Sul e obteve dados de Aerossóis na Estratosfera de 1969 a 1972. A época coincidia também com vários progressos na tecnologia de Lasers e Dr. Clemesha construiu aqui no INPE de forma quase artesanal o primeiro laser de Corantes a ser usado para medir o metal alcalino Sódio presente na alta atmosfera, trazidos pela queima de meteoros. O interesse do Dr. Clemesha pela Física da Alta Atmosfera não se limitou ás medidas com Radar de Laser mas se estendeu também à experimentos utilizando cargas úteis em foguetes de sondagem, Aeroluminescência e também à medidas de ventos e temperatura na alta Atmosfera. Além de produtivo pesquisador, professor, orientador perdemos também um grande ser humano.